quinta-feira, 1 de outubro de 2009

De chuva e blues...

No final o que fica são os trechos cantados em coro. A lembrança do cheiro de alguma comida, das náuseas das ressacas, das lágrimas e risos.
No final, são as lembranças que nos fazem sobreviver anos com a mesma sensação gostosa do momento.
Por que durante um tempo vivemos dos momentos efêmeros e febris, da ânsia que não passa, da necessidade de testar e provar novos sabores.
E nos próximos tempo vivemos de boas lembranças, de boas risadas, de muitas histórias. Porque tem histórias que perseguem e estigmatizam, nos caracterizam e marcam. Nos fazem pensar.
Por que no final, entre fotos e frases, fica a musicalidade nostálgica dos dias. E vamos assim caminhando, assim, nos embalando suavemente ao som de um bom blues recheado de boas lembranças...
Entre cafés e livros, fica o que um dia pensávamos saber; fica na memória a sensação que causou a primeira leitura de um poema, a música que tocou no primeiro beijo, a frase dita na hora certa, o olhar perdido quando não resta outra reação, a lágrima que teima em cair e o riso alto que não conseguimos segurar...
.
E toca um blues no fundo da minha mente inquieta hoje...

Um comentário:

Mari Schmidt disse...

Ahhhh que eu to me batendo de saudade!!!
A viagem é maaaaraa!!!!
Tenho uma serie de coisas pra te contar alem de uma série de novidades!!!
Beijos gatammm amo tu