quarta-feira, 22 de julho de 2009

Um ombro...

Eu tenho uma amiga que sofre de amor...talvez nem ela saiba que sofre, então ela acha que só ama...se entrega, chora, ri, se isola e continua com esse amor todo, transbordando e fazendo-a se afogar...

Minha flor, tu és como uma irmã, e é por isso que me importo tanto...e pra te entender, apenas ela, Florbela Spanca...

Cuida de ti!

"Toda esta noite o rouxinol chorou,

Gemeu, rezou, gritou perdidamente!

Alma de rouxinol, alma da gente,

Tu és, talvez, alguém que se finou!

Tu és, talvez, um sonho que passou,

Que se fundiu na Dor, suavemente…

Talvez sejas a alma, a alma doente

D’alguém que quis amar e nunca amou!

Toda a noite choraste… e eu chorei

Talvez porque, ao ouvir-te, adivinhei

Que ninguém é mais triste do que nós!

Contaste tanta coisa à noite calma,

Que eu pensei que tu eras a minh’alma

Que chorasse perdida em tua voz!…"

2 comentários:

Helen disse...

... amor e o que é o sofrer paramim que estoujurado pra morrer de amor...

Nunca fui covarde
Mas agora é tarde
Amei tanto
Que agora nem sei mais chorar

Vivi te buscando
Vivi te encontrando
Vivi te perdendo
Ah, coração, infeliz até quando?
Para ser feliz
Tu vais morrer de dor

Amei tanto
Que agora nem sei mais chorar

Nunca fui covarde
Mas agora é tarde
É tarde demais enfim
A solidão é o fim de quem ama
A chama se esvai, a noite cai em mim

Mari Schmidt disse...

Complementando, para a amiga que, assim como eu, se entrega, ri, se isola e continua com esse amor todo...

"A saudade da tua juventude por certo não virá nos próximos anos.
Mas sim quando declinar o sol da tua mocidade,
E as lembranças vierem povoar as tardes calmas de tua existência.
Lembre-se 'dele',
Não como um grande amor.
Mas como alguém que viveu na época dos teus melhores sonhos."

Beijo beijo