terça-feira, 24 de março de 2009

Decepções, quedas e alguma tolerância

O pior de se decepcionar é ter que ouvir o óbvio: "eu avisei". Sim, sempre tem alguém que avisa.
Sempre tem alguém que vê melhor as coisas, que discerne melhor a situação, que encara as coisas de outro modo, que nos avisa...e a gente não escuta.
"Nossa decepção é proporcional à expectativa", já dizia Marques de Sade. Nada mais propício do que uma frase de auto-flagelo do criador do sadismo... sim, criamos imensas, inúmeras, incontáveis expectativas... e sempre nos decepcionamos, SEMPRE!
Pois comigo não seria diferente.
E agora, é contar os ossos e fracassos de tentativas frustradas...siiiiim, eu tentei! E mais de uma vez. Eu tentei falar, gritar, num pedido desesperado de mudança, de tomada de atitude, de posicionamento de vida. Mas pq alguém me ouviria? Eu, tão errada, tão braba, tão insuportavelmente chata? Eu que digo exatamente o contrário do que faço justamente por saber o melhor caminho. É minha obrigação mostrar os atalhos, mas não posso evitar as bifurcações...
Eu, que me rasguei várias vezes matando formigas com canhões e que, de tanto tomar na cara, aprendi que o silêncio é melhor...mas que gritar, aaahhh, gritar faz bem....
Hoje eu gritei aos 04 ventos que o copo transbordou...
Meus sentimentos agora são rebeldes e tardios como um final de tarde em tempestade... contemplo em mim toda a raiva e tento respirar fundo sem resposta. Sinto cada terminação nervosa do meu corpo explodindo em espasmos de profunda irritação...
...

Mas amanhã, é outro dia.

Um comentário:

Mari Schmidt disse...

As vezes, nem sempre o que parece ser falta de atitude realmente é. As vezes parece que "não estamos nem ai", mas não é bem assim. De repente o problema todo esteja na forma como abordamos aos outros as preocupações, não necessriamente as expectativas. Faço minhas as tuas palavras!