quinta-feira, 26 de março de 2009

Controles e projetos


Hoje pela manhã, enquanto me maquiava cheia de preguiça pra trabalhar, ouvia e via o Bom Dia Brasil. Me chamou atenção uma matéria sobre um projeto do governo de, até 2010, construir moradia para mais de 1 milhão de pessoas. Em entrevista, Dilma Rossef explicava os prós do projeto, dizia que a oposição alegava ser parte de uma campanha à presidência antecipada e bla bla bla. Até que o entrevistador, que levantou dados de que mais de 8 milhões de pessoas estão sub-vivendo, leu meus pensamentos e perguntou sobre o controle de natalidade, se este não seria uma opção para um país visivelmente a beira do caos social. Ela disse que não.
Bom, começo então.
Controle de natalidade seria uma benção. Em um país onde o salário mínimo é precário e as famílias mais pobres tem 04, 06, até 08 filhos por conta da bolsa família, o controle de natalidade seria um excelente controlador inclusive do bom senso alheio. Em países mais desenvolvidos, é comprovado que um controle de natalidade bem feito, que presa pela saúde populacional, é uma efetiva forma de controle populacional, controle financeiro, controle, até, emocional. O caos familiar no Brasil é caso de ‘saúde pública’, como disse a própria ministra. Quanto mais gente criada numa sobre vida, trabalhando em subempregos, mais aumenta nossa violência, o tráfico, a marginalidade que beira o desespero em cidades como RJ, Londrina, Curitiba...
Violência, pra mim, é também causada por excesso de gente e falta de condições de vida. Não há trabalho pra todos, não há condições de vida decente pra todos, não há educação para todos. Os que vivem no meio disso tem a difícil escolha entre o crime e o trabalho (quase) escravo... adivinha só o que eles escolhem?
Sempre falei que o problema do Brasil teria que ser resolvido a partir da base: educação. Sou muito a favor de uma boa educação para todos. E no caso da superpopulação, tem que também ser resolvido na base: controle de natalidade; além de uma boa conscientização, evidente.
Dilma ainda disse que a bolsa família é um projeto de sucesso reconhecido inclusive por órgãos internacionais, como Nações Unidas e ONU. Olha, deve ser porque eles não moram aqui e baseiam-se em dados e fatos que queremos mostrar. No momento que verem que um pai desempregado ou subempregado com 07 filhos ganha mais do que eu, que tenho formação e trabalho 12 hs por dia, vão perceber que algo é discrepante nessa história.
Mas o controle de natalidade, ah, isso seria muito bom....

Um comentário:

Mari Schmidt disse...

Espero, de coração, que esteja tudo relativamente bem... e, mesmo que não seja pra grande coisa, mas caso precise,sabes que estou aqui!!!
Amo tu apesar dos pesares!!!
Beijorinho