quarta-feira, 4 de março de 2009

Cachorros

Tenho pra mim que cachorros são anjos.
Deliciosos anjos de 04 patas, que pousam carinhosamente seus focinhos molhados em nossos colos e vidas a nos trazerem paz de espírito e ensinamentos de amor incondicional.
Tenho pra mim, que cada vez que fico triste e minha cadela late, desesperadamente em minha direção, ela ta mesmo é querendo me dizer “calma, mãe! Tudo vai ficar bem!”.
Sempre que passo por um cruzamento ou um canteiro, nos lugares mais estranhos e inusitados, temos um cão sentado, despretensiosamente, rabo meio abanando, postura altiva e determinada, observador...e eu penso: “o que ele faz ali?”. Ele deve gargalhar com os pensamentos que ouve...
Observo os cães a muito tempo. Eles sempre estiveram na minha vida, de forma ativa ou apenas observando, compartilhando meus caminhos, participando das brincadeiras, arruinando os móveis e sapatos, espreguiçando-se de forma única na beira da minha cama,me dando ‘beijos’ de bom dia...
Tenho pra mim que eles são enviados dos céus para nos cuidar, pois sempre tem um cão perto de uma criança, de um morador de rua, debaixo das marquises das casas. No meu portão, tem dois – um casal – que fica ali pela volta. Me recebem com um bom dia de rabos abanando de forma sincronizada, me esticam suas patas e sorriem – sim, cães são capazes de sorrir – como a me desejar um excelente dia ou noite. Latem para desconhecidos, me protegem, me acompanham até a padaria e a única coisa que pedem em troca é um pouco de comida e água quando eu me lembrar de botar...
Tenho pra mim que Deus, em sua infinita bondade, não baniu os anjos da terra. Ele, sim, os transformou nesses seres doces, que são capazes de nos deixar tão felizes e nos confortar tão fácil, assim como anjos fariam.
Na incredulidade humana de acreditar em anjos, Deus os fez de quatro patas, para termos a sensação de que mandamos neles e eles nos obedecem. Para alguns maltratarem eles e mesmo assim eles estarem perto, como uma prova divina do amor incondicional de Deus para conosco: eles nada pedem em troca e estão sempre ali, com seus rabos felizes e seus sorrisos sinceros a nos receber...
Minha “anja” Panqueca esse ano faz 09 anos. E foi uma dádiva e um presente de Deus ela aparecer na minha vida.

2 comentários:

Mari Schmidt disse...

Na parte que tu escreve "Calma mae, vai ficar tudo bem!" (ou alguma coisa parecida), parece que eu to vendo a Ninoca te olhando, sorrindo e abanando aquele rabão preto bem faceira (tão faceira que chega a tirar o concreto da parede, heheheheheh)!!! Lindas, lindas, lindaaaaaaasss!!! As cadeludas mais companheiras no mundo cadeludo!!! Hehehehhe....

Elaine disse...

Olá!
Enquanto lia seu post tenho duas cachorrinhas deitadas, uma de cada lado do pc, me olhando. Como sou apaixonada por cães, todo o seu texto me emocionou muito e elas ficam me olhando os olhos molhados...
Tem coisa mais doce do que o olhar de um cãozinho?
Beijos e fica com Deus.